Carteira de trabalho ou de clientes?

Por vocação ou necessidade, o número de microempreendedores no Brasil cresceu mais de 1.200% na última década. O que esperar do futuro do trabalho? Em artigo exclusivo pro B IS THE NEW A, Davi Cury reflete sobre o tema.

Lembro quando tirei minha carteira de trabalho. Foi no final dos anos 90 e eu sequer tinha uma assinatura. Rabisquei então algumas opçōes no caderno da escola poucas horas antes de levar os documentos para alguma Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no centro de São Paulo. Era um adolescente, então a assinatura ganhou traços de grafite (ou melhor, pichação). Pro bem ou pro mal, aquela interpretação gráfica do meu nome segue sendo minha assinatura até hoje. 

Se ela – a assinatura – me acompanhou ao longo dessas duas décadas, o mesmo não aconteceu com a carteira de trabalho. Atuações como PJ, trabalho no exterior e agora como sócio, fazem minha carteira parecer um queijo suiço. E eu não sou exatamente uma exceção. 

Enquanto gerações anteriores almejavam estabilidade de emprego e carteira assinada, profissionais de hoje estão cada vez mais se acostumando com a ideia de uma carreira menos linear e mais empreendedora. 

Leia Mais

“Oi, estão me ouvindo bem?”

“Oi, estão me ouvindo bem? Legal… Todo mundo tá vendo a minha tela? Ixi….tá carregando, só um minuto. Ah, agora sim! Podemos começar ou estamos esperando mais alguém?”.

Se você falou ou ouviu algo do tipo nas últimas semanas (ou meses), não é uma mera coincidência. É apenas parte da nova rotina e do novo contexto. Reuniões por Zoom – e afins – permitem que muitos de nós possamos seguir trabalhando normalmente (?) mesmo durante o período de distanciamento social. Por isso então, lhes convido para um agradecimento coletivo a essas ferramentas!

\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/

Se o modelo de trabalho home office perpetuar, seja ele hibrido ou total, é provavelmente porque o Zoom, o Meets, o Teams e toda a família de plataformas de reuniões online possibilitaram o trabalho remoto. 

Mas, se o início do texto te levou a crer que estou aqui pra louvar o Zoom ou enaltecer o home office, lamento informar que não é exatamente o caso. Independente da minha opinião sobre o assunto, o que eu quero é chamar a atenção para um fato, para então discutir como nos adaptamos a ele.

Leia Mais

Relações [profissionais] mais humanas

Dia 1 de abril de 2020, 6h13 da manhã. Acordei com algumas ideias, abri meu laptop e comecei a escrever. Depois de algumas linhas rascunhadas e meia dúzia de e-mails respondidos, resolvi ir até a cozinha pegar uma xícara de café. Voltei pra cama, apoiei os travesseiros na parede, laptop no colo, café no aparador lateral e ali, ainda antes das 7h da manhã começava meu dia de trabalho.

Não, não é uma historinha de Dia da Mentira. E tampouco a glamorização do workaholic! Até porque, depois de alguns calls agendados para o período da manhã, provavelmente vou tirar um tempo pra fazer algum exercício físico ou simplesmente me dar o direito de ficar ensaiando riffs desafinados na minha guitarra. Ou, sendo mais realista, vou lavar a louça do jantar de ontem ou preparar o almoço.

É que simplesmente o lance de trabalhar de casa tem feito o trabalho ser mais fluido dentro do meu dia. Na BPool a gente sempre teve a liberdade de trabalhar de casa, de algum café, da praia…enfim… estar no escritório ou em casa nunca foi muito um corte seco entre estar trabalhando e não estar trabalhando.

Mas o confinamento forçado pela crise do COVID-19 tem feito o home office ter um novo significado e a dinâmica de trabalho ser revista e remodelada quase que diariamente.

Leia Mais